domingo, 31 de dezembro de 2006

marcas na calçada


sao simples pedras de calçada dispostas por maos ardentes de afagos, dobram olhares na beleza singela que encerram , momentos volvidos sao passados, vividos de alegria em cada uma se encontra o amor de quem as compõe no passeio, na rua estreita aonde se tocam os corpos, suados regressados apressados a casa, em busca de ternos afagos, fogem de si e nao se encontram vidas duras, de um futuro que so Deus sabera, o que tanto lhes reserva o amor vivido partilhado, entre lagrimas doces de um encanto que teima em fugir, nos passos apressados de quem nao tem vagar para amar, foge de si e nao encontra avenidas debruadas de cetim escarlate, paz de um ano em ano que teima em fugir deixa corpos dilacerados comos gumes de facas gravadas na vida que teima em fugir, quando o que mais quer é ficar entrelaçada com o desejo de sentir, o amor toca em cada poro que lhe da vida so esse vai dando alento em cada dia para continuar a viver. um beijo para quem em cada palavra se reve, eu sei podera nao ser entendido por todos, mas em cada um havera um corpo que respira este amor.